Gabinete de Curiosidades

Nesta obra, duas excêntricas inventoras abrem seu pequeno gabinete de curiosidades e convidam o público a transitar de formas mirabolantes pela passagem do tempo. As quatorze marionetes de madeira que compõem a peça foram construídas pelas artistas da Cia Tu Mateixa e instigam a curiosidade pelo que é feito engenhosamente de forma artesanal.

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom

A direção do espetáculo é assinada por Carla Candiotto, premiada diretora e atriz com cinco prêmios APCA, oito Prêmio São Paulo de Teatro Infantil e Jovem (antigo Coca Cola Femsa) e um Prêmio Governador do Estado para a Cultura. Já atuou e dirigiu espetáculos em diversos países da Europa, além de China e Austrália, e é co-fundadora e co-diretora da Cia Le Plat Du Jour. A dramaturgia autoral de "Gabinete de Cusiosidades" foi criada conjuntamente entre a diretora e as marionetistas, a partir de estudos sobre variadas obras de literatura, do cinema e das artes visuais.

 

“Gabinete de Curiosidades” foi concebido e criado durante o período de confinamento provocado pela pandemia e, inevitavelmente, traz à tona questões que vivenciamos nessa época em que “o tempo parou”. O espetáculo proporciona uma reflexão sobre as novas dimensões e formas de sentir o tempo em nossas vidas hoje em dia. Acreditamos que o encontro com a ludicidade das marionetes é capaz de parar o tempo por alguns instantes e fazer até as pessoas com mais idade voltarem a ser crianças.

 

O termo gabinete deriva do francês "cabinet" e remete ao “quarto das maravilhas”, lugar onde se guardam coisas preciosas, sejam concretas ou simbólicas. 

 

A cenografia remete a um móvel antigo - uma das acepções do termo “gabinete” - e é composta por um autômato, isto é, um conjunto de engrenagens que se movimentam através de uma manivela, como um relógio de corda. O próprio cenário se converte em boneco e personagem do espetáculo.

 

Cada marionete desta obra apresenta uma destreza singular devido aos seus mecanismos e também um conceito próprio para o desenvolvimento da personagem, se relacionando de diferentes formas com o tempo. As marionetes-relógio são inspiradas nas clássicas duplas de cômicos musicais. O personagem Eusébio, o apresentador do espetáculo, foi construído a partir de um despertador de corda antigo. É um senhor que carrega toda a sabedoria de sua experiência. Já Zezinho, feito a partir de um despertador de mesa mais moderno, representa um jovem aprendiz, que traz a energia da criança, do jogo e da brincadeira. Travam uma disputa cômica por um objeto, representando de forma poética um debate geracional. 

 

Em poucas palavras, a trapezista foi inspirada no movimento pendular e cíclico dos relógios de coluna; as bailarinas representam a precisão do tempo, com seus movimentos perfeitamente sincronizados; o mago simboliza o mistério do tempo que não pode ser medido pelo relógio; a monociclista evidencia a velocidade com que o tempo passa e a funambulista revela a travessia em busca do equilíbrio sobre a tênue linha que separa a vida e a morte.

 

A trilha sonora, inspirada em ritmos balcânicos e composta pelos musicistas Danielle Siqueira, Danilo Rodrigues e Domingo Duclos, é constituída por uma série de músicas instrumentais onde se trabalha uma sonoridade muito especial. Elementos de música cigana e músicas de tradição judaica formam uma mistura que traze uma atmosfera de tempos gramôfonicos, que acompanham a cena e convidam ao espectador para essa viagem.

 

A instrumentação foi cuidadosamente selecionada com a ideia de transmitir a beleza e a simplicidade destas músicas folclóricas do século XIX. Dentro do repertório podemos encontrar músicas autorais assim como músicas tradicionais, com os instrumentos violão, viola caipira, clarinete, sanfona, trombone, violino, dulcimer e percussão.

Para a criação dos figurinos, buscamos junto à figurinista Elisa Rossin uma estética atemporal e não realista para compor a visualidade dessa dupla de marionetistas-inventoras que dão vida aos bonecos. Os tecidos são de algodão, pois esse elemento natural conversa muito bem com a natureza da madeira, que é a base material do cenário e dos bonecos. Foi criada uma paleta de cores rústicas e neutras e as variações das cores estão mais nos detalhes, feitos então de renda e tule. O couro também é utilizado na confecção dos adereços por ser também um material natural, assim como o algodão e a madeira. 

Este espetáculo foi produzido com apoio da 5a Edição do Fomento ao Circo da Secretaria Municipal de Cultura de São Paulo e Cooperativa Paulista de Teatro em 2021.

Equipe de Criação "Gabinete de Curiosidades"

Confecção e manipulação de marionetes: Júlia Barnabé e Rocío Walls  

Direção: Carla Candiotto  

Concepção e Dramaturgia: Carla Candiotto, Júlia Barnabé, Rocío Walls 

Trilha Sonora Original: Danielle Siqueira, Danilo Rodrigues e Domingo Duclos 

Cenografia: Pierre Franclet, Eduardo Salzane, Valentin Fileteado, Júlia Barnabé e Rocío Walls 

Figurinos: Elisa Rossin

Costureira: Ateliê Belas Modas  

Adereços de figurinos e cenografia: Laura Alves - Ateliê Clã das Cores 

Fotos e Vídeos: Marina Decourt - Multiversos Audiovisual 

Produção Geral: Cia. Tu Mateixa Marionetes

Duração: 45 minutos

Classificação etária: Livre

Necessidades técnicas

Espaço cênico: 4m x 4m

Salas de teatro, preferencialmente. Também é possível realizar apresentações em espaços não convencionais e/ou abertos.

Tempo de montagem: 1 hora

Tempo de desmontagem: 1 hora

Equipamentos de Som:

  • 2 microfones head-set

  • Caixa de som com entrada USB ou P2 para reprodução da trilha sonora

Iluminação:

  • Iluminação do palco: o espetáculo requer apenas uma geral simples e dois contras, pois a cenografia conta com um sistema de iluminação próprio.

Obs: Caso o espaço não disponha de equipamentos de som e iluminação, a companhia possui sistema próprio, que pode ser utilizado em ponto de energia ou, ainda, à bateria.